Unimed Vale do São Francisco alerta e divulga cuidados com a epidemia dos vírus Sincicial Respiratório e Influenza

0
177

Clas Comunicação – por Carlos Laerte/Foto Arquivo

O Brasil está enfrentando uma epidemia dos vírus Sincicial Respiratório (VSR) e Influenza, que causam infecções respiratórias e podem levar a complicações graves, principalmente em crianças menores de cinco anos, idosos e indivíduos com condições de saúde debilitadas.

Com foco na prevenção para evitar a propagação dessas infecções na região, a Unimed Vale do São Francisco vem priorizando o atendimento, visando garantir que todos recebam os cuidados adequados de acordo com a gravidade de cada caso. No Hospital Unimed Petrolina, os profissionais de saúde estão atendendo os casos mais graves que requerem internação. Se a criança apresentar sinais de alerta como dificuldade para respirar, coloração azulada na pele, dor ou pressão persistente no peito ou abdômen, confusão mental, vômitos intensos ou persistentes, incapacidade de se hidratar adequadamente, febre alta que não melhora com medicamentos ou piora dos sintomas após uma aparente melhora, a recomendação é levar imediatamente para esta unidade.

Nos ambulatórios no NASP e no Hospital Unimed Juazeiro estão sendo atendidos os casos leves e moderados que necessitem de atendimento médico, prescrição de medicamentos rápidos, receitas e atestados médicos, a exemplo de sintomas como febre leve, tosse e coriza. A orientação principal é com relação a adoção de medidas de isolamento para os pacientes com sintomas de infecção respiratória. “Devemos manter a criança sintomáticas em casa e evitar locais públicos, como escolas e parques; Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, especialmente após tossir ou espirrar; Ensine as crianças a tossir ou espirrar no cotovelo ou em um lenço descartável; Evite o contato próximo com pessoas doentes; Mantenha os ambientes ventilados e limpos”, ressaltou o diretor técnico do Hospital Unimed Petrolina, Lucyo Flávio Diniz.

O diretor acrescentou ainda que a ida às emergências deve ser restrita aos casos mais graves.”Caso tenha dúvidas sobre a saúde de seu filho, entre em contato com o médico ou profissional de saúde responsável. Contamos com a colaboração de todos para conter a epidemia e proteger nossas crianças”, concluiu.