Texto: Maria Akemi – Fotos: Carlos Humberto, Rubens Carvalho e Maria Akemi

O domingo (5), como de costume, foi de futebol no Estádio Adauto Moraes. No lugar da Desportiva Juazeirense – que estreou fora de casa na Série D – o gramado foi ocupado por ídolos do futebol nacional e local.

A partida amistosa entre Seleção Brasileira Master e Seleção de Juazeiro terminou com um elástico placar de 5×0 aos donos da casa. Apesar da derrota, os visitantes foram a atenção principal, sendo tietados por marmanjos e crianças, muitos deles tendo a oportunidade de conhecer seus ídolos de perto pela primeira vez.

Edilson Capetinha falou com a nossa equipe

“A gente joga futebol porque gosta, aqui ou em qualquer outro lugar quando a gente entra em campo a gente quer se divertir. É mais uma oportunidade de estar perto dos torcedores que torceram a vida inteira por nós. Pra mim é um orgulho muito grande ter saído da Bahia e ter rodado o mundo inteiro. É muito legal esse tipo de evento pra gente”, disse Edilson Capetinha a Agência CH.

Outro baiano que pisou no gramado do Adauto ontem foi o tetracampeão Bebeto, que jogou nesse mesmo estádio no início de sua carreira.

“Fazia muito tempo que eu não voltava, quando eu tava iniciando minha carreira com 15 anos eu estive aqui jogando com o Vitória, depois vim aqui com o Flamengo. É minha casa, minha terra. É diferente voltar como atleta consagrado, com uma história linda no futebol. É minha terra, sou baiano, soteropolitano, nordestino”, destacou.

Chicão, ex-Corinthians

Se para os torcedores o momento era de tietar, para alguns jogadores a experiência também foi a oportunidade de ver de perto sua referências. Essa foi a situação do zagueiro Chicão, ex-Corinthians.

“Joguei no Bahia um tempo, mas não tive a oportunidade de vir pra cá. É a primeira vez, estou gostando, a gente está aqui desde sexta e é muito importante participar de um evento desse. Eu vi o Bebeto jogar em 94 e estou tendo a oportunidade de jogar ao lado dele”, finalizou.