Sem Neymar, Brasil estreia na Copa América contra a Bolívia nesta sexta 14

Time canarinho retorna ao Morumbi após 40 anos, diante do mesmo adversário, e faz seu primeiro jogo oficial desde a Copa do Mundo da Rússia, em 2018.

Por Carlos Humberto

A edição 2019 da Copa América de Futebol começa nesta sexta 15 no Estádio do Morumbi, em São Paulo, com o Brasil fazendo as honras da casa contra a seleção da Bolívia. Será a quinta sediada no Brasil e em todas elas o título ficou com o anfitrião. Ao todo, a seleção pentacampeã do mundo conquistou nove títulos – 1919, 1922, 1949 e 1989 em casa – as outras quatro de oito conquistas vieram em 1997 na Bolívia, 1999 no Paraguai, 2004 no Peru e em 2007 na Venezuela.

Lateral Daniel Alves e o novo uniforme da Seleção Brasileira (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

O juazeirense Daniel Alves será o capitão da Seleção Brasileira, que traz de volta o uniforme branco de 1919, abandonado após o maracanaço de 1950.

Há 12 anos que o país não sobe ao pódio no primeiro degrau. Hiato maior aconteceu entre 1949 e 1989, totalizando quatro décadas de seca de títulos, após disputas históricas contra Argentina e Uruguai, adversário da final no Maracanã.

É histórico lembrar que o Brasil demorou para despertar o interesse por competições no continente, daí ser apenas coadjuvante quando se compara os títulos conquistados por clubes e seleções rivais tradicionais como Argentina e Uruguai. A título de curiosidade, Pelé e Zico, com a camisa canarinho, não possuem título da Copa América, apenas por seus clubes, Santos e Flamengo.

Passado o furacão de denúncias contra o seu melhor jogador, a estreia diante da Bolívia, coloca o time brasileiro na condição de favorito, diante de um adversário de segundo escalação no futebol sul-americano. Tal qual a reforma da previdência – para citar um tema atual e problemático – a renovação aguardada chega tipo meia-boca nos relacionados por Tite. Talvez temendo mais um fracasso em solo nacional – o 7 a 1 ainda repercute – o técnico aposta na experiência, em detrimento de jovens que brilham nos campos europeus e brasileiros. Mesmo garantido para a Copa do Catar, segundo declarações do seu patrão Rogério Caboclo, presidente da CBF.

Sem Neymar, presente em todos os últimos títulos conquistados, a Seleção Brasileira terá o desfalque do goleiro Ederson, com lesão na panturrilha. O meio-campista Artur, liberado pelos médicos, ocupa o banco de suplentes, e sua vaga está sendo disputada entre Fernandinho e Allan. Mesmo assim, não se espera outro resultado que não seja uma vitória convincente contra a Bolívia do atacante Moreno, 59ª colocada no Ranking da Fifa. O Brasil se mantém em terceiro.

Tite e a seleção (Arte: ESPN)

BRASIL x BOLÍVIA

Local: Morumbi, em São Paulo
Data e horário: sexta-feira, às 21h30 (de Brasília)
BRASIL: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís; Casemiro e Fernandinho (Allan); David Neres, Coutinho e Richarlison; Firmino. Técnico: Tite
Reservas: Cássio, Fagner, Militão, Miranda, Alex Sandro, Arthur, Allan (Fernandinho), Paquetá, Willian, Everton e Gabriel Jesus
Bolívia: Lampe, Diego Bejarano, Haquin, Jusino e Marvin Bejarano; Justiniano, Saucedo, Castro e Fernández; Vaca e Marcelo Moreno. Técnico: Eduardo Villegas
Arbitragem: Nestor Pitana, auxiliado por Hernán Maidana e Juan Belatti; VAR: Patricio Loustau, auxiliado por Fernando Rapallini e Ezequiel Brailovsky, e observados por Pablo Silva (todos da Argentina)