A dupla BAVI mais uma vez na pauta

Por Jota Jota

BAHIA

Mais uma vez, o time da cidade tricolor conheceu um resultado negativo, desta feita atuando em Lima no Peru, contra o Melgar, para quem perdeu por um tento a zero, gol de Nino Paraíba contra. De todo, o resultado não fora catastrófico, apenas é preciso uma reversão em casa, uma vez que o time peruano virá com a vantagem de atuar pelo empate.

A reversão do placar na Arena Fonte Nova, já totalmente liberada para esta partida no dia 5 de novembro, se Mano Menezes conseguir fazer o time do Bahia jogar, porque até aqui, com todas as mudanças e experimentos feitos, a carruagem não andou, a não ser aquele jogo diante do Atlético Mineiro, e a fórmula foi reutilizada frente ao Melgar, mas este Peru acabou não morrendo de véspera, e agora vem para Salvador bem vivo, diga-se de passagem.

Ou os reforços chegam, ou a saída de Mano Menezes está logo ali depois da curva do primeiro turno, o que seria uma pena, haja vista que a reformulação começará pelo lado certo, a do treinador, já que tinha que mudar, trouxe um de ponta, mas o elenco precisa também ser qualificado, não é Bellintani?

VITORIA

A situação no rubro negro não difere muito, da vivida pelo seu maior rival, com uma diferença, a grana no cofre, coisa que o Leão da Barra continua sem ter, e busca meios heroicos de sobrevivência e, aos trancos e barrancos, vem mantendo um elenco na conta do chá, o que é insuficiente para os pouco mais de 7 mil abnegados, aqueles que vão mesmo ao estádio, e não ficam cornetando nas redes sociais.

A parada hoje é no Barradão e diante do Brasil de Pelotas. Barrocas encerrou na quinta 29, os preparativos para o SEXTOU DE FUTEBOL ali no Santuário, e já vai poder contar com dois reforços, que por ele foram solicitados à direção do clube, que agiu rápido, contratou, e os nomes publicados no BID. Thiago Lopes é atacante e Matheus Frizzo, um meia de perna esquerda, que podem até começar jogando, o professor, escondeu o time titular.

Mais um jogo de seis pontos, e novamente em casa, onde o Leão não tem conseguido rugir, os adversários estão fazendo o Barradão de salão de festas em plena PANDEMIA, e o time rubro negro ainda não teve pulso para acabar com as festas. Agora vem aí gaúchos, será que vamos ter que ouvir e dançar o vanerão, uma dança tipicamente do Rio Grande do Sul, ou vamos fazer um PAREDÃO com AXÉS de Ivete Sangalo e  Tatau, autênticos rubro negros?

CONCEITO

Como vão fazer eu não sei, mas que é preciso mudar a forma dos elencos da dupla BA VI, não tenham dúvidas. O nosso futebol, de uma vez por todas, precisa deixar de ser apenas TUPINIQUIM, ou mero participante, porque no momento, nem mesmo COADJUVANTES estamos conseguindo ser.

#PRONTOFALEI.

*O texto é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Agência.