Ascom/Juazeirense – Por Carlos Humberto

A Juazeirense entra em campo neste domingo 2 com a difícil missão de vencer o adversário por uma margem mínima de três gols, para levar a decisão para os pênaltis, ou por quatro ou mais, para garantir passagem direta para a final do Campeonato Baiano.

Para isso, não basta ser otimista. Tem que balançar as redes do adversário. Sem os gols necessários, o Cancão será eliminado antes que alcance pela primeira vez o sonho de chegar a uma final do campeonato da primeira divisão da Bahia.

Esperança de gols

O atacante Nino Guerreiro é sempre uma esperança de gols no comando do ataque da Juazeirense desde que vestiu pela primeira vez o manto do clube. Embora questionado por parte da torcida, Nino continua merecendo a confiança do técnico, da diretoria e dos companheiros, e é o artilheiro da equipe no campeonato com quatro gols.

De seus pés ou cabeça poderão vir os gols que a Juazeirense necessita para reverter a incômoda situação. E, para provar que não é guerreiro apenas no nome, se diz pronto para a difícil missão.

Aos 36 anos, com passagens por clubes como Remo, Sergipe, Juazeiro, CRAC, Anapolina, Cuiabá, Confiança e CRB, entre outros, o atacante não foge da luta e promete muito suor para o êxito da Juazeirense neste domingo 2, contra o Atlético de Alagoinhas.

Otimismo e pés no chão

Após o treino da última quinta-feira no Adauto Moraes, Nino conversou com alguns jogadores e atendeu à imprensa. O experiente e rodado atleta falou que as cobranças fazem parte da vida de um jogador, ainda mais um atacante de quem a torcida sempre espera ver as redes adversárias balançando.

– Estou preparado. Vamos para Alagoinhas com o intuito de voltarmos com a classificação. O que nos motiva é saber que temos totais condições, mesmo respeitando as qualidades do Atlético. Sabemos de nossa força e nosso retrospecto prova que vivemos situações parecidas e saímos vitoriosos. Desta vez não será diferente – afirma com otimismo o artilheiro.