Falôôô... A opinião de Jota Jota - Foto/capa: Pietro Carpi/ECV/Divulgação
Jota Jota

Não existe na face da terra um torcedor declarado do Vitoria, que tenha colocado a cabeça  no travesseiro e dormido com os anjos, depois de mais uma derrota dentro do Santuário, deixando escapar entre o vão dos dedos a probabilidade de estar coladinho no G-4, almejando ainda no primeiro turno ficar entre os quatro melhores da competição.

De novo e outra vez, o time treinado por Bruno Pivetti, deixou muito a desejar, tomando dois gols no primeiro tempo, sem que conseguisse reagir na etapa final, conseguindo um gol de pênalti. No mais, apesar da pouca posse de bola, o Coelho das Alterosas foi mais eficiente, levou os três pontos para casa e olhem que teve a oportunidade de aumentar o placar.

Depois de inúmeros debates nas redes sociais, em que os torcedores do rubro negros, questionavam Pivetti, Paulo Carneiro saiu em defesa do professor que ele apostou, postando um áudio, onde explicita o trabalho analítico do elenco, com produtividade científica, ou coisa parecida, cuja explanação confundiu ainda mais os das arquibancadas. Todo demonstrativo não entrou em campo diante do América, a subida de produtividade, no papel, ficou nos vestiários, e o time não mostrou evolução nenhuma.

O que vale mesmo para o torcedor são os pontos conquistados e a chance de poder retornar à série A em 2021, o que elenco e treinador estão encontrando enormes dificuldades, sem conseguir se aproximar do pelotão da dianteira, hoje é o último da primeira página. E olhem que o colunista, tem visto comentários em vários seguimentos, que acreditam no time que vem jogando, e no acesso, mas me digam… Perdendo em casa?

Não, claro que não quero ver o time brigar para não cair, mas sim em busca nem que seja da quarta posição no G-4, onde os quatro são campeões. Pergunto-lhes, sou eu quem não tem paciência com o Vitoria, ou a sua já está no mesmo patamar que a minha, não suportando mais ver um time ABSURDAMENTE LENTO, sem definição no ataque, um meio que não é criativo, e uma defesa que tem que se virar, no sentido de impedir derrotas, e não vem conseguindo.

Hoje, o Vitoria está a cinco pontos do quarto colocado, e vejam os senhores, o mesmo conseguiu perder SEIS, eu disse 6 (numeral), pontos em seus domínios, inconcebível, inacreditável, não suportável, e digno de reclamações nas redes sociais, e nos programas de rádio e pós jogo, com eles ganhos, o time estaria no pelotão de elite, que busca a série A do futebol nacional.

Será uma quarta-feira agitada no Barradão, pois as cobranças serão enormes, e PC vai ter que dar muitas explicações, os Cardeais vão perguntar o que vem acontecendo, tendo em vista tantos resultados negativos, que impedem a equipe de estar na linha de frente. Outra cobrança a ser feita, e com certa perspicácia, é com relação ao treinador Bruno Pivetti, que apesar de sua expertise teórica e bela oratória nas entrevistas, vem pecando nas escalações, e modificações com a bola rolando.

Mesmo com a explicação de Paulo Carneiro, que credencia o técnico, seu trabalho à frente do Vitoria, não é satisfatório para direção, adivinhem para os torcedores, que virados no girai-a, querem jogadores, e a troca URGENTE do treinador, mesmo sendo este, uma aposta do presidente Paulo Carneiro.  No meu modesto ponto de vista, e nos altos dos meus poucos anos no ramo, o tempo de Bruno Pivetti se esgotou.

Mas sabemos que apesar de não nascer em Uberlândia, e fazer parte da Banda Só Prá Contrariar, todas as ações intempestivas do PC, principalmente com relação ao elenco e o treinador, vão de encontro a todos que lhe apoiaram em campanha, reconduzindo-o à presidência. Espero que a sua teimosia, não seja o maior de todos os impe cílios, de um Vitoria melhor e mais competitivo, para o restante da competição.

É bom que os olhos, sejam abetos o mais breve possível, que os erros sejam reparados, e a caminhada para a série A, seja retomada com toda força, buscando lá fora, os pontos perdidos em casa, e se mudarem rapidamente, tudo vai estar no seu lugar.

#PRONTOFALEI.

*O texto é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Agência CH.