Ascom/PMC

Programada para acontecer neste final de semana, a Festa dos Vaqueiros de Curaçá não será realizada este ano, em virtude das restrições impostas pela pandemia do coronavírus.

O prefeito de Curaçá, Pedro Oliveira, filho de vaqueiro, lamentou, em entrevistas concedidas à imprensa regional a suspensão inevitável do evento que é a principal festa popular do município: “Ficamos muito tristes porque sabemos o quanto a população de Curaçá se identifica com essa festa, que completa 77 anos. Já estávamos com tudo planejado, mas foi necessário suspender, não existe outra alternativa, ficamos tristes porque somos apaixonados por essa festa, desde criança via meu pai encourado nos levando para celebrar esse encontro, mas foi necessário tomar essa decisão”, disse.

A atual gestão em Curaçá, de acordo com o prefeito, fez um resgate histórico da festa, que faz parte do Patrimônio imaterial da Bahia: “Resgatamos essa festa, era uma festa para ganhar dinheiro, com ingressos caríssimos, boa parte da população era excluída dos grandes shows e nós assumimos esse compromisso e resgatamos a participação popular. Havia uma disputa política em torno da festa e logo que entramos, em 2017, unificamos com a Sociedade dos Vaqueiros (AVAPEC), com outros atores, esquecemos as questões partidárias e fizemos a maior festa que Curaçá já realizou, devolvendo a Festa dos Vaqueiros para a população e os vaqueiros”, reforçou.

O prefeito anunciou, durante as entrevistas, que o evento não deixará de ser registrado e alguns momentos importantes, como a Missa dos Vaqueiros,  Alvorada Festiva que serão transmitidas pelas redes sociais para que as pessoas possam assistir direto das suas casas: “Estamos garantindo uma estrutura de transmissão, via redes sociais e outras mídias, permitindo que os momentos mais importantes dessa festa cultural e popular de Curaçá possa chegar às pessoas de Curaçá e do Brasil inteiro”, declarou.

Delaides Rodrigues Paixão