Por Jota Jota - Foto: Divulgação
Jota Jota (Foto: Agência CH)

Vários foram e estão sendo os comentários nas redes sociais sobre a apresentação de Léo Santana, no FORRÓ DO NORDESTE (?), apresentado ao vivo pela Rede Globo, e que deixou incrédulos todos os baianos e amantes da música típica nordestina. O que tem a ver um pagodeiro, desafinado, e desengonçado, em uma festa de sanfona, zabumba e triangulo?

Sem sombras de dúvidas, foi uma apresentação vexatória do gigante, e sem precedentes, tendo em vista, que novamente os baianos recebem goela abaixo as imposições da Globo Rio, cabeça de rede, sem poder dar seu pitaco, indicando um forrozeiro de verdade, para que a Bahia estivesse bem representada, mas não, a repetidora não tem voz e, muito menos, vez diante da empáfia dos que se acham acima de tido e de todos.

Quero ver a matriz tripudiar em cima da TV Grande Rio de Pernambuco. Não fez, não faz e não fará, ela é cabeça de rede, e suas opiniões são ouvidas, mas o caso é mais grave, quando se troca o ruim pela excelência musical, em um estilo que só o forrozeiro nato tem, não é? Até o gingado do zabumbeiro, os passinhos do moço do triangulo, e o abrir e fechar o fole do sanfoneiro, tem diferença.

Só sei que a apresentação deixou muito a desejar, e ele, Léo Santana, fora a única carta fora do baralho naquele terreiro musical. Sem contar que os cenários preparados nada tinham a ver com o São João tradicional, onde o terreiro de chão batido é uma de suas características, sem contar as mesas superlotadas de guloseimas da época. A bandeira do São João em um mastro, ou até mesmo um quadro com a sua foto.

Porque será que a Globo não buscou nos produtores do Faustão, Jairzinho e Simoninha, opiniões sobre os cantores? Eles conhecem o que de melhor existe na música brasileira e poderiam ter escolhido artistas que somassem na apresentação, pois temos um leque enorme aqui na Bahia de todos os Santos. De Adelmario Coelho, até Estaka Zero, passando Virgílio, Targino Gondin, Del Feliz, Val Macambira, Zelito Miranda, e tantos outros, mas não, a Vênus Platinada, a toda poderosa, quis o Gigante, que nem levou a santinha.

Se bem que ele como artista, nada tem a ver com a escolha, por ser profissional, aceitou o convite, e apesar do vexame, lá estava, a banda tocando no terreiro, e ele cantando no paiol, ou seja, nada a ver, mas o baiano recebe pela goela e tá tudo certo. Alto lá, Dona Globo dos cariocas, aqui a coisa é com Dendê e Pimenta, e os mentores da TV Bahia, precisam começar a se impor, ou vai ser pau mandado a vida toda?

Lendo o comentário do colega Raimundo Ruy, a quem dou todo o crédito, o achei coberto de razão, quando perguntou: os cariocas vão colocar Luan Santana, Leonardo, Ludmila, Todinho, para representar o samba do Rio de Janeiro, em detrimento a Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Dudu Nobre e Cia? Certo Ruy, perguntar não ofende.

Estamos magoados sim. Como baianos e forrozeiros natos não poderíamos deixar passar em branco mais esta aberração cometida pela Globo, dentre outras que vem fazendo nos últimos tempos, pois uma coisa é alcançar o pico do sucesso, mas a maior dificuldade, será a de mantê-lo, e ela vem se perdendo pelo caminho.

#PRONTOFALEI

*Este texto é de inteira responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Agência CH.