Clubes escolhem empresas para venda dos direitos internacionais do Brasileirão

Três companhias estão envolvidas em duas linhas de atuação

Crédito: O Globo

Os clubes das Séries A e B definiram em reunião nesta sexta-feira as empresas que serão responsáveis pela comercialização dos direitos internacionais do Brasileirão e concluíram o que classificaram como primeira fase do processo.

A empresa Global Sports Rights Management (GSRM) foi escolhida para TV aberta, TV fechada, Pay Per View, internet e OTT/streaming.

Numa videoconferência com 31 participantes, os clubes também definiram que a proposta conjunta de Zeus Sports Marketing e Stats Perform será a responsável pelos betting rights, exibição de trechos das partidas em sites de apostas.

Os contratos terão duração de quatro anos. A CBF não terá direito a remuneração. De acordo com a entidade, os modelos de negócio selecionados contemplarão pagamento de garantia mínima. Outra parte será fruto da performance de vendas dos direitos. As partes não divulgaram os valores envolvidos.

A preocupação inicial dos clubes no momento não é nem assegurar uma venda robusta, mas, sim, iniciar um processo de exposição para além das fronteiras do brasileiras.

Na segunda fase do processo, as empresas selecionadas passarão por validação do escopo de trabalho, atendimento às normas de governança e conformidade, apresentação das garantias financeiras e formalização dos instrumentos contratuais.

Segundo a CBF, até que esta fase esteja rigorosamente cumprida, os clubes e a entidade não consideram o processo concluído.