Por Jota Jota
Jota Jota

A situação de vários clubes no Brasil, piorou e muito, com esta pandemia, que lhes retirou patrocinadores, e arrecadações nos estádios, e com isso os compromissos, estão deixando de serem cumpridos em sua maioria, dentre eles o pagamento de salários dos atletas, e funcionários, que é um agravante inconteste.

Vamos falar do nosso estado a Bahia, onde dois casos nos chamaram a atenção nestes últimos 15 dias. O primeiro veio de Alagoinhas, onde o presidente do Atlético, time que disputa a série D do brasileiro, e quem vem com boa campanha, foi para as redes sociais, fazer um apelo DRAMÁTICO à população de sua cidade, para que pudesse pagar os salários de seus jogadores. Pela crise, acabou perdendo o treinador Agnaldo Liz, e pode perder alguns atletas, mesmo assim, venceu fora de casa o seu compromisso diante do Tupinambás em Minas Gerais.

A outra história vem de Ilhéus, também campeão baiano Colo Colo, passa pela mesma situação, os cofres estão zerados, e os patrocinadores chamados de master, sumiram. Uma torcida organizada, com a permissão da diretoria, lançou campanha de Vakinha Virtual, para arrecadar dinheiro para saldar compromissos, e olhem, o certame baiano da série B nem começou ainda. E os salários estão atrasados.

Somos sabedores, de que administrar times pequenos, sem receitas, e apoio dos empresários locais, é de uma abnegação incalculável, mas é preciso também ressaltar, que muitas administrações são equivocadas, e até irresponsáveis, quando os Amadores, travestidos de expertises no futebol, acabam com o pouco que antecessores deixaram. Vide Fluminense de Feira, ou a oposição acorda, ou o Touro vai mesmo para o Brejo.

Não sei por que algumas federações estaduais, ajudam financeiramente seus clubes, principalmente quando disputam certames nacionais, e não vemos na Bahia, uma só peça movida neste sentido. Não é dar dinheiro, para que farras aconteçam o chamado trem da alegria, mas para cumprimento dos necessários compromissos.

Como levar adiante e com seriedade, a tarefa de dirigir os times chamados pequenos? Hoje não se pode, e nem se deve, estarem dependurados nos cofres das prefeituras, onde os compromissos dos executivos municipais, são maiores e complexos, para atenderem seus munícipes, daí não resta aos dirigentes, uma outra alternativa, a não ser, estarem…

COM O PIRES NAS MÃOS.

Pobre futebol brasileiro, em sua maioria administrado por AVENTUREIROS, que ofuscam os ABNEGADOS, e enterram cada vez mais, o que um dia, já fora O ESPORTE BRETÃO, e que tem ainda como ídolo, o aniversariante deste 23 de outubro, o Sr. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Quem viu, viu, quem não viu, alugue na locadora.

#PRONTOFALEI.