Entidade explica que nos anos preços permanecem baixos e agricultores estão desencorajados.

Matéria-prima de várias das principais comidas típicas do São João, a produção de milho em Petrolina (PE) para abastecer o consumo do período junino foi de 500 mil espigas este ano, e bem abaixo da expectativa. A procura pelo produto, cujo saco estava sendo vendido nas feiras livres ao preço médio de R$ 30, também foi inferior em relação a 2018, quando o cento era de R$ 50, segundo o Sindicato dos Agricultores Familiares (Sintraf).

A queda na produção acontece por causa de alguns motivos. Há vários anos, por exemplo, os pequenos agricultores se queixam do baixo valor do milho, que em 10 anos nunca passou dos R$ 0,35 a espiga; o inverno registrado no interior do município não foi suficiente para animar os produtores e o retorno financeiro não cobre os custos.

“O preço do milho é sempre o mesmo; o valor de produção é muito grande se comparado aos benefícios; e a procura está a cada ano menor ainda. Um agricultor planta 3 hectares de milho e não faz R$ 8 mil, em contrapartida ele gastou de R$ 5 a R$ 6 mil para produzir. É muito trabalho para pouco retorno, então eles não consideram tão viável plantar milho”, avalia a secretária de Políticas Agrícolas do Sintraf, Eliete Ferreira.

Neste período junino, o milho verde foi comercializado entre R$ 0,25 e R$ 0,30 a unidade, enquanto no mesmo período do ano passado o produto custava R$ 1, duas espigas. A produção tímida se refletiu no abastecimento para outros estados e cidades vizinhas – se em 2018, os agricultores venderam para Salvador, Recife, Campina Grande e Caruaru, em 2019 comercializaram apenas na região.

Com as capitais sendo as grandes compradoras de milho, a presidente da entidade representativa, Isália Damacena, diz que 2019 gerou a tempestade perfeita. “A economia do país continua ruim, Caruaru teve uma grande produção de milho e as capitais não tiveram interesse em negociar com a gente este ano”, afirma.

Um efeito dominó que, segundo a líder sindical, freia qualquer investimento dos agricultores dos distritos de irrigação de Petrolina. “Na realidade, o agricultor não para a sua produção para plantar milho, porque, grosso modo, não vale a pena. Então planta-se o milho como uma alternativa”. Ela continua: “Petrolina tem uma tradição muito grande com as festas de São João, mas infelizmente a demanda pelo milho que mantém a tradição das comidas típicas tem diminuído muito”, concluiu.

Jacó Viana – jornalista