DANIEL ALVES, UM ASTRO MUNDIAL (depoimentos)

Por Tony Martins
Clebismar dos Santos, superintendente de esportes do município

Desde que saiu da comunidade do Umbuzeiro, no Vale do Salitre, Daniel Alves teve uma passagem rápida pelo futebol de Juazeiro, jogando no Barro Vermelho, nas escolinhas de futebol do Juazeiro e nos Juniores do clube, até que em 1998 foi para o Esporte Clube Bahia. Daquele momento em diante se tornou um astro do futebol mundial, motivo pelo qual, o Superintendente de Esportes do município, Clebismar da Silva (Mazinho) que já atuou no futsal e no futebol profissional, destaca esse momento: “Merecida essa homenagem, porque Daniel Alves é um desportista que passa uma imagem positiva para o mundo, representa bem Juazeiro, a Bahia e o Brasil, deixa um grande legado, principalmente para os militantes do futebol e a gente que tem escolinhas de futebol, é uma referência do esporte em nossa cidade. Essa escultura vai eternizar a memória de Daniel, pois, os mais jovens ao vê-la, vão lembrar de um super campeão”, afirmou.

Alan Cleber, secretário municipal, ao lado das irmãs de Daniel

A grandeza de Daniel Alves também é destacada pelo Secretário de Cultura e Esporte do município de Juazeiro-Ba, Alan Cleber que fala com muito orgulho do momento em que fez parte da homenagem ao atleta juazeirense: “Me sentir lisonjeado por fazer parte desse momento, fazendo esse gol e essa homenagem a um cara que foi desbravador, que é um grande exemplo de perseverança e batalhador no futebol, cujo talento é indiscutível. Então, Juazeiro precisa reverenciar seus artistas e seus astros” – concluiu.

Vágner Rocha, ex-jogador profissional

Vagner Rocha, ex jogador do Juazeiro Social Clube e que atuou em grandes clubes do futebol brasileiro, a exemplo de Bahia e Vasco da Gama, enaltece a história de Daniel Alves, referindo-se ao atleta desse modo: “Falar de Daniel Alves seria desnecessário, pois a história dele diz tudo, ele é importante para todos nós, já que levou o nome de Juazeiro para o mundo. Poderia até ter mais homenagens, pelo que ele joga, pelo que representa no futebol, ele traçou uma trajetória espetacular, sem deixar nenhuma mancha. Portanto, uma homenagem justa”. Destacou.

Carlos Humberto era o presidente quando Daniel atuou pelo Juazeiro Social Clube

Por fim, o jornalista Carlos Humberto, dirigente do Barro Vermelho, bem como fundador e presidente do Juazeiro Social Clube, na oportunidade em que Daniel Alves foi negociado com o Bahia em 1998 faz uma abordagem sobre a carreira de Daniel Alves: “Acho que não passava pela cabeça de nenhum dirigente, nem pela cabeça do próprio Daniel, que ele chegaria aonde chegou. Hoje aqui é uma simples homenagem a um merecimento que ele conquistou. Daniel saiu daqui, criou seu próprio caminho e seguiu sua própria estrada, seguindo os conselhos de seu pai e de sua família que são corretos. Todos nós, que de alguma forma, fizemos parte da história de Daniel Alves, nos sentimos orgulhosos, em ver um salitreiro, reconhecido mundialmente, sendo homenageado, ao lado de João Gilberto e, futuramente, quem sabe, ao lado de Ivete Sangalo” – afirmou.

Carlos Humberto, no entanto, sem desmerecer a justa homenagem feita a Daniel Alves e sem fazer crítica aos realizadores do evento, revelou que por questão de afinidade, a esculturara poderia ser instalada no estádio Adauto Moraes, justificando: “Eu sempre achei, como Daniel Alves é do esporte, que a estátua deveria ser colocada no estádio Adauto Moraes. Talvez para o turismo não funcione. Mas, o que vale é a iniciativa da Prefeitura” – concluiu.