Falôôô... A opinião de Jota Jota
Jota Jota

É de dar nos nervos ver a equipe do Bahia atuando. Ontem, mesmo tendo sido melhor do que o Defensa Y Justicia na maioria do tempo regulamentar, onde dominou as ações, criou oportunidades, e outra vez, como sempre acontece, os atacantes do tricolor baiano não pareciam ter vontade de chegar às redes adversárias. Várias chances foram criadas, o time argentino que jogava com o regulamento debaixo do braço, permitiu que o Bahia jogasse, dominasse o maior tempo de posse de bola, e criando oportunidades, que foram perdidas.

Por mais que Mano Menezes tenha tentado orientar seus pupilos, a galera da bola, parece não ter assimilado nada. Jogando com a vantagem regulamentar, o time da casa só cresceu mesmo na partida, depois do ato de IRRESPONSABILIDADE, do jogador Rossi, que com um gesto obsceno, segurou a genitália e o VAR o dedurou e, merecidamente, recebeu o cartão vermelho.

E a mística do futebol continua prevalecendo: “Time que não faz… toma”, e foi o que aconteceu, em uma escapada, ao final do segundo tempo com a defesa mal posicionada, o Justicia fez o único gol do jogo, acabando com a esperança dos tricolores, que pelo começo da partida, assim como o colunista, acreditava em uma reação do Bahia, daquela fraudulenta atuação na Arena, no jogo de ida.

E os argentinos, acabaram vencendo o jogo, e sem apelação, o time baiano está de volta para o seu aconchego, pensando agora em escapar da zona de rebaixamento na série A. Além da queda, pode se levar uma revoada de urubus, jogo diante Flamengo no final de semana, sem descartar a possibilidade do atual campeão brasileiro vencer mais uma.

Agora o sonho das semifinais ficou mesmo na padaria do português, e como diz a música, ‘O Show já terminou, vamos voltar a realidade…’ aquela de lutar, para não permitir que a zona do rebaixamento possa alojar o Homem de Aço, já que é o que resta ao time do reeleito Guilherme Bellintani. Te cuida homem de aço, ‘a geri poça não pode piar’.

#PRONTOFALEI.

(O texto é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Agência CH)