Da Redação – por Carlos Humberto

Bastou o treinador Lisca se manifestar sobre a realização dos jogos da Copa Brasil, no momento em que a pandemia do Covid se alastra em velocidade vertiginosa em todo território nacional, o assunto passou a ser tema de programas televisivos e viralizou nas redes sociais.

Anônimos, jogadores, treinadores e entidades nacionais parecem ter sido despertados pelo desabafo do gaúcho Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, nome verdadeiro do treinador vice-campeão da Série B pelo América Mineiro em 2020, e passaram a se manifestar ao longo do dia.

Entre os clubes considerados grandes, o presidente do Santos Andrés Rueda, em entrevista à Folha de São Paulo, defendeu a paralisação durante a pandemia: “Dói, mas precisamos parar”. No entanto, essa pode ser apenas uma opinião pessoal do dirigente santista, já que, de acordo com a coluna do jornalista Marcel Rizzo, no UOL, “Clubes, TVs e federações tem pacto para manter jogos e ‘zerar’ calendário”.

Entre as entidades, a Comissão Nacional de Combate e Prevenção à Violência nos Estádios, do Ministério Público, vai mais longe e quer a suspensão de todas as competições nacionais como medida para conter o avanço da Covid-19. O documento, assinado pelo procurador Valberto Lira, da Paraíba, presidente da Comissão, será encaminhado à CBF.

Segundo o procurador, “A Comissão Nacional decidiu emitir uma nota técnica recomendando à CBF a suspensão de toda e qualquer competição por ela organizada, em face da situação que hoje o Brasil atravessa, com o crescente número de pessoas falecidas e contaminadas”.

Para o presidente da Comissão, Valberto Lira, “Futebol não é atividade essencial. As atividades essenciais estão elencadas no decreto do governo do estado. Nós estamos dizendo à CBF que não poderão acontecer esses jogos. Estamos recomendando também à Polícia Militar para impedir esses jogos no estado da Paraíba – disse Valberto, que também é presidente da Comissão de Combate e Prevenção à Violência nos Estádios da Paraíba”.

Quanto ao protesto de Lisca, a CBF descarta adiar a Copa do Brasil e não pretende responder ao treinador. A informação é do jornalista Rodrigo Mattos, também no UOL.