Ascom/PMP

Falar sobre assistência social em Petrolina é motivo de orgulho para a gestão municipal. Nos últimos quatro anos, o município investiu no fortalecimento do serviço prestado à população, ampliou a rede de assistência e desenvolveu inúmeras políticas públicas sociais. A comprovação da eficácia desses investimentos está nos números: o Indicador de Desenvolvimento dos Centros de Referência da Assistência Social (ID CRAS), cuja nota é atribuída pelo Ministério da Cidadania, cresceu de 2,26 (em 2016), para 4,1 em 2019.

O secretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Jorge Assunção, ressalta que a administração municipal investiu na reestruturação da rede, inclusive com a reabertura do Restaurante Popular, reforma de prédios (CRAS, CREAS, CCI’s) e descentralização de serviços. “Um dos principais marcos da gestão do prefeito Miguel Coelho foi a Casa Bolsa. Com a nova sede e o implantação da Agenda Social, foi possível reduzir as longas filas e proporcionar maior conforto e dignidade à população que recebe benefícios do Governo”, destaca.

Petrolina também garantiu direitos para as pessoas de todas as idades e gêneros. A gestão decretou, por exemplo: o reconhecimento do nome social e identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais na administração pública; a implantação da primeira Patrulha da Mulher Municipal do Sertão de Pernambuco (em parceria com a Guarda Civil); a garantia do Passe Livre para pessoas com deficiência terem acesso ao transporte público; além de ter criado o programa Qualifica Petrolina, que profissionalizou mais de 10 mil jovens; entre outras ações.

Pandemia

Durante a pandemia do novo coronavírus, a Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos também trabalhou incansavelmente. Foram criados o abrigo noturno para receber pessoas em situação de rua e a Central de Atendimentos para tirar dúvidas sobre o auxílio emergencial (em parceria com a Sedetur), foram distribuídos kits alimentares aos idosos em situação de vulnerabilidade acompanhados nos Centros de Convivência do idoso, bem como a entrega desses kits para as famílias com direito ao benefício eventual. Além disso, devido ao isolamento social, a prefeitura intensificou as campanhas de violência contra crianças e adolescentes, mulheres e idosos.

Sedesdh