Escolhas e convocações nunca agradam a todos

Falôôô... A opinião de Jota Jota
Jota Jota

Já nem há mais dizer quantos milhões de técnicos somos todos nós, os brasileiros, e que torcemos por um clube, uns mais apaixonados, outros mais comedidos, mas sempre torcendo, e quando se trata de algum tempo de escolha, e até mesmo convocações das seleções brasileiras, em todas as categorias, as divergências aparecem em altas escalas.

E não fora diferente na premiação do campeonato brasileiro, festa muito concorrida em São Paulo, na noite de segunda-feira 9, quando se conheceu os melhores do ano. Ainda crescendo no gosto popular, o futebol feminino mostrou artilheira, a melhor jogadora, mas faltou o selecionado, fato que deverá ser observado pela CBF. No masculino, não fora diferente, Bruno Henrique levou o título de melhor jogador e Michael, do Goiás, a revelação do certame.

Quanto a seleção, aí a polêmica surgiu, e no bar do Coité, ali no Caju em Lauro de Freitas, existiram controvérsias, e com nomes que ficaram de fora, e são tantos que nem se pode mencionar, mas por exemplo, Dudu do Palmeiras, e Soteldo do Santos, pelas atuações, mas na verdade, o Flamengo pelo conjunto, acabou sobrando e foi a base da seleção, inclusive com o treinador Jorge Jesus sendo o agraciado como melhor treinador. Outro questionamento, Sampaoli do Santos, que também é Jorge, realizou um trabalho digno, e se escolhido, não seria nada demais.

Festa bonita, e cheia de atrações como Dudu Nobre e a banda Skank, que abrilhantaram a noite, com a apresentação do casal Lauro Ramos e Taise Araújo, e trapalhadas de Paola Oliveira, representando a Fiat. No mais tudo foi uma festa.

#PRONTOFALEI.