Por Adriano Alves

As poéticas do Sertão do São Francisco e o povo ribeirinho estão sempre presentes nos trabalhos cênicos do Coletivo Trippé, que reúne artistas que pesquisam a Dança e seu diálogo com outras linguagens. A partir desses estudos, nesta quinta (08), o grupo estreia um novo trabalho, o filme Uma Janela Interior. A transmissão começa às 20h30, no Youtube (youtube.com/coletivotrippe).

O curta-metragem experimental é desdobramento do espetáculo Janelas Para Navegar Mundos. A criação de 2017, que já foi apresentada em palcos por vários estados do Brasil e recebeu diversos prêmios, agora se adapta ao audiovisual, sendo revisitada pelos criadores nesse período sem público por conta da pandemia. Esse desafio de recriar uma obra será tema da mesa-redonda realizada logo após a exibição do filme, contando com a participação dos bailarinos e equipe técnica.

Para a bailarina Rafaedna Brito, a possibilidade de dançar em cenários naturais foi um dos pontos positivos desse novo processo. “Foi interessante investigar as cenas em novos cenários, a ideia desses novos ambientes me faz estar entregue durante as cenas e isso ajuda com que a proposta fique mais fluida e gostosa de fazer”, conta. Sobre se adaptar à relação com a câmera, ela diz que “de início foi bem estranho. Adaptar os espetáculos para vídeo era algo que nunca pensei em testar, mas tive que ir me acostumando e depois percebi como isso foi importante pro período da pandemia”.

O projeto foi possível a partir da aprovação no edital dos Prêmios de Preservação dos Bens Culturais Populares e Identitários da Bahia Emília Biancardi. Para garantir a acessibilidade da obra, o coletivo investe em recursos como a tradução para Libras. “Sempre tentamos garantir essas ferramentas de acessibilidade, por entender que é nosso dever permitir que os diversos públicos acessem esses trabalhos, principalmente quando se há recursos públicos. Esse filme tem a Libras e já preparamos uma versão com audiodescrição para exibir em breve”, pontua Nilzete Miranda, produtora.

A direção e o roteiro são assinados por Adriano Alves. Fernando Pereira foi o diretor de fotografia e também cinegrafista junto com o artista Jota. O elenco é composto pelos bailarinos Wagner Damasceno, Regiane Nascimento, Rafaedna Brito, Mary Ane Nascimento, Julia Gondim e Adriano Alves. A trilha sonora é original com músicas de Eugênio Cruz. A intérprete de Libras é Rejane Silva e a Acessu Comunicação fez a audiodescrição. A produção foi de Nilzete Miranda da Pipa Produções e a montagem e finalização da Abajur Soluções Audiovisuais.

Para acompanhar as atividades do Coletivo Trippé, o público pode acessar seus perfis no Instagram (@trippecoletivo) e no Facebook (@coletivotrippe). O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria do Cultura e do Centro de Culturas Populares e Identitárias – CCPI (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

10 ANOS TRIPPÉ – O Coletivo Trippé comemora em 2021 os seus 10 anos de trabalho contínuo com artes no Sertão do São Francisco, realizando diversas atividades que celebram esse marco histórico, como o lançamento dessa coleção, publicação inédita para a trajetória do grupo, e também produzindo outros materiais com memórias dessa década. No canal do Youtube, além de assistir a Live-debate, é possível assistir documentários, videodanças e escutar o podcast ‘Vozes Coletivas’, lançado em janeiro, que traz falas de vários integrantes sobre os processos criativos e bastidores do coletivo. Outras novidades serão divulgadas em breve nas redes sociais: Facebook.com/coletivotrippe e Instagram.com/trippecoletivo.

Serviço:

Estreia do filme ‘Uma Janela Interior’

Dia 08 de julho de 2021.

Horário: 20h30.

Canal: youtube.com/coletivotrippe.

Classificação Livre.

Acesso gratuito.