Ainda o clássico

Nas resenhas dos torcedores seja ela nas rodas de bate papo, ou mesmo nas redes sociais, não se fala outra coisa, o resultado do maior clássico do Norte e Nordeste, jogado no último domingo, onde Vitoria e Bahia, ficaram no empate por um gol.

Às vésperas do confronto, as opiniões eram diversas, com um grande favoritismo para o Bahia, tendo em vista o elenco formado, e as atuações que antecederam o jogo, para seus torcedores, e até mesmo dirigentes e jogadores, o favoritismo era real, isso porque o Vitoria vinha de empates e triunfos, mas sem convencer seus torcedores, de que o time treinado por Marcelo Chamusca, pudesse dar uma liga imediata, evitando o pior.

Mas, como em todos os clássicos, tudo é diferente, e pode acontecer o inimaginável, sendo bom para um, e decepcionante para outro, basta que a bola role, para que o favoritismo seja concretizado, ou jogado às margens do gramado, e aí, é esperar pelo resultado final, com gritos comprimidos nas gargantas, as lamentações de gols perdidos, os pênaltis não marcados, as faltas, os cartões, tudo pesa sobre o inesperado 1 a 1.

Nos papos, o torcedor do Bahia, lamenta o resultado, pois havia gozado em profusão, os do Vitoria, falando em goleada e massacre, e os rubro negros, mesmo com o coração apertado, pois não confiava no seu elenco, ainda assim rebatia, as provocações. A bola rolou, e o clássico acabou mesmo empatado, e agora? Que nada, as discussões e provocações continuam, cada qual com seu cada qual, mas não para as duas diretorias, elas que vão precisar fazer um balanço minucioso, de tudo que viram e aconteceu no jogo, avaliando bem cautelosamente seus elencos, porque a partida, pode mostrar a ambos, onde estão as maiores deficiências dos seus times, não deixando as coisas acontecerem, para no futuro pagarem para ver.

Ambas as equipes, estão precisando de reforços, e peças de recomposição, mesmo estando ainda, no começo de temporada, e tenham tido pouco tempo para seus treinamentos, é, mas o velho Sotéro Monteiro já dizia, o jogador se conhece no arriar das malas, e quando sobe as escadas do túnel, o futebol evoluiu sim, mas a experiência de Sotero permanece, tem atleta, que pela grandiosidade do clube, não pode vestir a camisa, caso contrário, um dia o treinador vai ter que utiliza-lo (Evaristo de Macedo), e aí mora o perigo.

Com tantas competições, e Bahia e Vitoria, vão precisar de elencos fortes, com jogadores que possam variar os esquemas de jogos, e até mesmo repor as suspensas e ou contundidas. E a hora para estas reflexões é exatamente agora, vimos na partida, que o Bahia fora superior tecnicamente, mas acabou perdendo para a raça e a força de vontade do Vitoria na etapa final, dois fatores diferentes, mas que fizeram o placar.

O clássico, serviu ainda para recuperação do goleiro do Vitoria, Ronaldo pegou tudo, e ainda sobrou mais um pouco, se rendimento de atuações pífias em 2018, falamos deste jogo, será preciso se manter em alta. No final, entre mortos e feridos dentro da batalha da Lampions Liague, todos conseguiram se salvar, menos no papo e zoeira da galera das arquibancadas, que ainda se engalfinham com o resultado.

#PRONTOFALEI.