Jota Jota: Bahia supera VAR e limitações técnicas para tirar pontos do Inter no Beira Rio

Por Jota Jota
Jota Jota

Realizando uma partida bem diferente das últimas sob o comando de Roger Machado, o time do Bahia fez uma apresentação digna de sua tradição diante do Internacional, no gigante da Beira Rio, e conseguiu ponto importante fora de casa. É público e notório de que a troca de treinador em um time, mesmo que o professor imediato seja um interino do clube, faz com que o elenco se esforce um pouco mais, ou melhor… muito mais.

Não, o Bahia, não fez uma excelente atuação, mas jogou para o gasto, e dificultou e muito, as ações do time líder do certame brasileiro, e por pouco não chega ao triunfo, crescendo muito nos minutos finais, depois que sofrera o pênalti, segundo opiniões, mal marcado pelo juiz da partida, com choque e divergências de opiniões, em sua maioria achando inexistente, mas valeu a interpretação do homem do apito.

Perdido por um, perdido por dez, Prates teve coragem de mudar algumas peças, e o Bahia cresceu em campo, chegando ao gol de empate, em um pênalti fora do lance, o VAR chamou o apitador, que depois de analisar, confirmou, e o tricolor chegou ao empate, e por pouco, não quebra a invencibilidade do Inter, que mesmo com o empate, continua na liderança no pelotão de frente.

Não esperem de mim eufóricos elogios ao time do tricolor baiano, que é o mesmo do Roger Machado, e que vinha há vários jogos atuando abaixo da crítica, o que hoje não aconteceu, vimos um time de postura diferente em campo, mais aguerrido, e buscando marcar bem melhor o adversário, que perdeu dois pontos em casa, mas é líder e invicto.

Tivemos um jogo bem animado, com quatro gols, e que o público que prestigiou na TV, deve ter dado uma nota 7, se não fora 8. Dois gols com falhas das duas defesas, a do Inter no primeiro do Bahêa, e a do Tricolor, no primeiro do Colorado, depois disso, os donos da casa tiveram maior posse de bola, e o visitante não conseguia sair para os contra ataques. Na primeira oportunidade, em que fora para o ataque, o time de Prates, ganhou de presente um pênalti fora do lance, e trouxe para casa um ponto na bagagem.

Longe de ter tido uma atuação magnifica, mas se viu uma postura diferente na forma de atuar do time, e se as péssimas jornadas eram para derrubar o treinador (o que eu não acredito), eles conseguiram, e pelo visto, começam uma retomada das boas atuações em 2019, o que falta muito para alcançá-las, mas foi o primeiro jogo sem Roger. Enquanto isso, a diretoria continua em busca do novo Professor, e até lá os meninos vão tendo aulas particulares com Prates, o eterno interino tricolor.

Agora, posso perguntar… O VAR, veio para esclarecer, complicar, deixar dúvidas, e ou bagunçar o futebol brasileiro?

Além da demora para as definições, todos os lances, em que se exige a presença do moço do vídeo, as dúvidas, as diferentes formas de interpretações, deixam o torcedor indignado, e muitas das vezes, sem uma convicção na marcação do lance duvidoso.

#PRONTOFALEI.