Jota Jota: Foi bom, mas poderia ter sido melhor*

Falôôô... A opinião de Jota Jota
Jota Jota

Não vou aqui, por questão dos fatos, que indubitavelmente derrubarão os meus argumentos, dizer que o resultado da partida do Vitoria frente ao Operário do Paraná, não fora de todo ruim, tendo em vista que conseguiu somar pontos fora de casa, o que ameniza um pouco a falta de ter triunfado, diante de um adversário, cujas qualidades técnicas são iguais às suas, mas que em dados momentos, lhe permitirá estar à frente do marcador, com vantagem numérica.

Como todos sabemos, e temos visto os jogos do rubro negro, faltam detalhes no elenco e na direção técnica do time, que o impedem de estar jogando um futebol mais qualificado, e ter uma melhor somatória de pontos, estando entre os quatro primeiros colocados, o que vem tentando, mas não está conseguindo.

Foto: José Tramontin/Divulgação/Operário

Não foi a melhor partida do Vitoria, mas também não foi a pior, o time até que mesmo lento conseguiu o empate, não permitindo que o pelotão de frente escape, mas três pontos seriam ideais. Mas olhem que o Operário deu trabalho sim senhor, e como pode o são Ronaldo participou do sextão do Jotão, se virou nos trinta, realizando novamente defesas salvadoras, não tendo culpa nenhuma no gol que levou, mais uma vez falha de cobertura.

Mais uma vez o Pivetti deu uma de menino birrento, querendo mostrar ao mundo, que o seu time só joga para ganhar, colocou dois centroavantes, ou seja, voltou a mudar errado, abrindo o meio de campo, deixando a defesa desprotegida, e chamou o Operário para o empate, o que aconteceu, e por pouco não leva a virada. Não pego no pé do professor sem razão, suas teorias são excelentes, mas na prática ainda deixam a desejar, será no futuro um bom treinador, mas para o momento do Vitoria… não.

Agora serão mais dois jogos em casa onde, de maneira nenhuma, pode-se pensar em resultado outro que não seja bater seus adversários, ou continuará o Leão, a marcar passos, ou andar como caranguejo, para trás e de lado, tentando chegar ao G-4, mas sem conseguir, permanecendo no ditado do velho namorador, três tentativas, e quatro desistências. Me deixem viu.

#PRONTOFALEI.

*O texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Agência CH.