Por Jota Jota - Foto: Felipe Oliveira/ECB/Divulgação
Jota Jota

Senhores, contra fatos e números, não existem argumentos, sejam eles quais forem, e explicitados pelo mais apaixonado torcedor do Esporte Clube Bahia, tendo em vista, as fraquíssimas atuações do tricolor dentro da Copa do Nordeste, onde suas partidas, mesmo com triunfos, não conseguiu agradar em nenhum momento, pois se tornara um time totalmente previsível.

O Ceará, chegou ao seu segundo título, da mesma forma que conseguiu o primeiro, INVICTO, e novamente diante do Bahia, ratificando a superioridade mostrada na primeira partida da final, quando venceu por 3 tentos a 1, e que jogava até podendo perder um gol de diferença, mas sua melhor performance, e esquema tático definido com plano de jogo, levou o Vozão ao título com uma vitória.

Não, o Bahia não perdeu o título, por um lance em que se reclama de uma penalidade máxima, mas sim pelo que não apresentou em nenhum dos dois jogos, um time apático, desmotivado, sem condições de fugir das armadilhas de Gordiola, que veio com o regulamento debaixo do braço, e quando sentiu que dava, se arvorou ao ataque, achando o gol do título. Daí por diante, foi desgastar ainda mais o Bahia, com um toque de bola, fazendo o tempo passar.

Sim o treinador Roger Machado, tem a sua parcela de culpa, já que não conseguiu mudar a maneira do Bahia atuar, fazendo com que seja um time totalmente previsível, dando aos adversários, a condição de marca-lo, já que não existe um plano B, o técnico não tem peças para isso, e a velocidade do passado como Hamilton, acabou virando Barrichello, que nem mesmo uma ultrapassagem consegue fazer com segurança.

Bem águas passadas, não vai moer mais este moinho, a correnteza agora, vai em direção ao certame baiano, porque o Atlético de Alagoinhas, é o adversário desta quarta-feira, em jogo a ser realizado em Pituaçu, com o time tricolor da Boa Terra, precisando apagar a péssima impressão da Lampions Liague, é vencer e ou vencer o Carcará, para sábado jogar a partida final, com vantagem.

Minhas preocupações, que já eram enormes, com os times do estado do Senhor do Bonfim, triplicaram, com o que pude ver nesta reta final da Copa do Nordeste, e no baiano, temos times em todas as séries desta enorme competição, e nenhuma das seis, conseguiram passar para o colunista, uma esperança de dias melhores, confiança, deixando o torcedor atônito, sem enxergar o túnel, quem dera à luz no fundo dele, se é que ela existe, não sendo apenas mais uma miragem.

Repetitivo neste sufixo, dentro de campo, nos dois jogos que acompanhamos com precisão, o time cearense, foi melhor em todos os sentidos, na ida e na volta, sem dar nenhuma chance, para uma possível reação do Bahia, que não tem poder ofensivo, um meio de campo sem criatividade, uma defesa sofrível, em suma, um conjunto que vem tocando desafinadamente, e plagiando o Samba, aquele de uma NOTA SÓ. Ou melhora Bellintani, ou teremos dissabores, ainda maiores neste estendido calendário futebolístico.

Sei que assim como torcedores do Vitoria, se mostraram chateados comigo, o mesmo acontecendo com os do Fluminense e Bahia de Feira, do Conquista, hoje com certeza, serei alvo dos do Bahia, vão me atirar dardos à vontade, me chamando de VELHO, RANZINZA, DINOSSAURO, ANALFABETO DO FUTEBOL, e outras coisinhas mais, achando que estou desvalorizando o seu time.

Mas muito pelo contrário, estou tentando abrir os olhos, dos que veem aí para as séries do brasileiro, para que não nos surpreendamos, com resultados, que escapar pelo vão de nossos dedos, e leite derramado, não se coloca no balde para consumo.

Bahia, vire a página, e arrume o time.

Ceará, parabéns pela campanha e pelo título.

#PRONTOFALEI.