Por Tony Martins
Lelé, ex-jogador amador (Foto: Arquivo Ziinha)

Morreu no dia de ontem (segunda-06/07/2020), aos 60 anos, o policial aposentado e ex-jogador de futebol Josenilson Almeida da Silva, conhecido como Lelezão. Nos últimos anos ele estava residindo no Município de Remanso, onde trabalhou por muitos anos, servindo a PM da Bahia, mas nasceu em Juazeiro, viveu e cresceu no bairro São Geraldo.

Conheci Lelé em 1970/71 com quem estudei na Escola do Círculo Operário juntamente com Zé Puí e Zé Carlos que depois se tornaram jogadores do futebol amador de Juazeiro (naturalmente, menos eu). Em 1975, Lelé jogou pelo Vasco de Zequinha na Liga Adalberto Matos, fazendo dupla de zaga com Teca, em cujo momento surgiram vários craques do futebol local: Galeguinho, Lulinha Marrom, Nonato, Roriz, Zé de Bilica, Gilmar e Fumanchu, entre tantos.

Lelezão ficou marcado pelo seu corpo avantajado, literalmente um zagueirão, mas que, às vezes, atuava de atacante, vestindo as camisas de XV de Novembro e Veneza, nas décadas de 1980/90.

O futebol sempre foi uma prática presente na família de Lelé, a começar pelo seu pai Zé Goleiro (In Memoriam), que atuou no esporte local, inclusive foi campeão juazeirense em 1952, defendendo o Botafogo. Os irmãos Tó (In memoriam) e Val também jogaram futebol na cidade, além de Hilton que se destacou no futebol, tendo atuado no Atlético Mineiro e equipes de Santa Catarina.

Lelé estava internado em decorrência de um AVC, na segunda feira não resistiu e acabou falecendo, sendo sepultado na Cidade de Remanso na tarde de ontem. Deixa esposa e quatro filhos.