Por Tony Martins

Não teria, certamente, nenhuma condição de fazer uma versão da música “No dia em que a terra parou”, composta por Raul Seixas e Claudio Roberto no ano de 1977. No entanto, é difícil não comparar os versos da canção com o momento em que vive o mundo em razão do coronavírus.  Os campeonatos de futebol foram interrompidos por toda parte, nesse caso, não seria absurdo ensaiar um verso em que conste a frase: o torcedor não saiu para o estádio, pois sabia que o jogador também não tava lá; o jogador não saiu para jogar, pois sabia que o torcedor também não tava lá. A rigor, a terra não parou, porém, a bola já não mais rola pelos gramados mundo afora, sendo que a maioria dos eventos suspensos, não se sabe ao certo quando serão reiniciados.

Os principais campeonatos estaduais do país, a Copa do Brasil, Copa do Nordeste e a Taça Libertadores da América, estão suspensos, causando problemas que vão desde o calendário do futebol até a manutenção das equipes que ficarão sem receitas e sem atividade até que essa situação se normalize. A situação se agravará não só pelos problemas de saúde, mas, principalmente, pela questão econômica afetada substancialmente em decorrência do Coronavírus.

O futebol não vai parar, como sugere a canção, contudo, sofrerá terríveis consequências, como impõe a situação, uma vez que, o aspecto financeiro é determinante para as competições futebolísticas.

Clubes do interior com grandes dificuldades

Com a paralisação do Campeonato Baiano 2020, as equipes do interior da Bahia ficaram em situação difícil, uma vez que, terão que interromper suas atividades, sem ao menos saber a data de retorno, já que a Federação Baiana de Futebol-FBF só poderá tomar decisões a partir do quadro futuro do coronavírus, cuja situação está deixando as autoridades mundiais e brasileiras em alerta permanente, pois, a cada dia a situação se complica, com mais pessoas contaminadas pelo COVID 19, inclusive, com várias mortes.

Das oito equipes interioranas, o Esporte Jacuipense é a que está em melhor situação, uma vez que, disputará a Série C do Campeonato Brasileiro, tendo, portanto, um calendário definido. Atlético de Alagoinhas, Bahia de Feira e Vitória da Conquista disputarão a Série D e dependerão do desempenho em cada etapa da competição, já que a quantidade de partidas aumenta na medida em que a equipe vai passando de fase, sendo que o campeonato começará com 68 clubes e apenas 4 conseguem subir para a série C.

De forma geral, as equipes contratam jogadores para três a quatro meses, com a suspensão do Campeonato Baiano esse prazo será aumentado, o problema é que o orçamento curto dos clubes, não permite mais despesas do que as previstas, por isso,  algumas equipes já dispensaram seus elencos e sequer estão treinando, a exemplo de Vitoria da Conquista e Juazeirense.