Por Carlos Humberto
Troféu da Libertadores (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Palco da primeira Copa do Mundo de Futebol, em 1930, o Estádio Centenário, em Montevideo, Uruguai, abre suas portas, rejuvenescido 91 anos depois, para a decisão da Copa Libertadores 2021, entre os clubes brasileiros Palmeiras e Flamengo na tarde deste sábado (27), às 17 horas (horário de Brasília).

As duas equipes terão força máxima na decisão. As ausências do lateral Marcos Rocha, do Palmeiras, e do zagueiro Leo Pereira, do Flamengo, os dois suspensos pelo terceiro cartão amarelo, não podem ser considerados desfalques cruciais, até porque apenas o lateral palmeirense é titular.

Sofrendo pressão fora de campo, o Flamengo dirigido pelo técnico Renato Gaúcho (campeão pelo Grêmio em 2017), tem o melhor elenco possível entre os dois finalistas, e conta a seu favor o histórico de vitórias sobre o Palmeiras dirigido pelo português Abel Ferreira (campeão em 2020), que nunca venceu o Flamengo. O conjunto do time paulista, no entanto, está à altura da grande decisão, e entra em campo em condições de igualdade.

Durante as coletivas com a imprensa, os treinadores não revelaram as escalações, deixando as especulações a cargo dos repórteres. No Palmeiras, Gabriel Menino poderá ser o substituto de Marcos Rocha e Felipe Melo e Scarpa deverão ser confirmados entre os titulares. Renato garantiu que o planejamento foi seguido à risca para recuperar os jogadores lesionados, como Arrascaeta e Pedro, mas afirmou que não daria pistas que revelassem os 11 que começam jogando a decisão.

O vencedor da final coloca no peito a faixa de tricampeão da Libertadores, e se junta aos brasileiros Santos, São Paulo e Grêmio no somatório de títulos continentais. Será também o representante da Conmebol no Mundial de Clubes.

Premiação

Campeão: R$ 125 milhões.

Vice-campeão: R$ 75 milhões.

Prováveis times

Palmeiras: Weverton; Mayke, Gustavo Gomez, Luan e Piquerez; Felipe Melo (Danilo), Zé Rafael, Gustavo Scarpa e Raphael Veiga; Dudu e Rony.

Flamengo: Diego Alves; Isla, Rodrigo Caio, David Luiz e Filipe Luis; Willian Arão, Andreas, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Gabigol e Bruno Henrique.

Arbitragem: Nestor Pitana, Juan P. Belatti e Gabriel Chade, todos argentinos. Quatro árbitro Facundo Tello, da Argentina, e Julio Bascuñan, do Chile, será o VAR.