Por: Maria Akemi (texto e fotos)

O Rally dos Sertões chegou a Petrolina nesta quinta-feira (19). Os pilotos começaram a desembarcar em solo pernambucano no início da tarde, depois de uma maratona (literalmente) pela Bahia.

As equipes passarão a noite no Pátio Ana das Carrancas, para amanhã dar seguimento ao trajeto programado. Nesse meio tempo, a Agência CH visitou o QG dos pilotos e mecânicos justamente no momento de revisões nos veículos.

Bem verdade que a adrenalina da corrida não pôde ser sentida, mas nós conversamos com alguém que tem vivido esses momentos de perto. Sabrina Proença é integrante do setor de Logística e Coordenação da equipe MEM Motosport.

As dificuldades da prova

Essa foi a segunda perna da Maratona, na qual os pilotos não podem ter nenhum tipo de ajuda externa. A estratégia é poupar o veículo para chegar aqui. Hoje foi muito importante e agora os nossos mecânicos vão fazer a revisão geral”, contou.

A pandemia da covid-19

Como é participar do Rally em plena pandemia? “Na nossa equipe nós estamos com 44 integrantes, entre membros de equipe de apoio e competidores. A gente fez uma microbolha, somos todos testados, todos deram negativo. A gente chega, a gente tem a nossa alimentação e não sai para nada”, relatou.