Texto: Maria Akemi - Foto: Reuters

A cena de domingo (29) não sai da cabeça do piloto de F1, Romain Grosjean. Ele se envolveu em um grave acidente, viu seu carro pegar fogo e conseguiu sair com vida da colisão apenas com queimaduras.

Nessa semana ele reencontrou os profissionais que o ajudaram no incêndio e conseguiram preservar sua vida. E hoje (4) ele concedeu a primeira entrevista após o fato. “Primeiramente, para mim não foram 28 segundos. Pareceram 30 minutos, se eu tivesse de colocar isso em tempo. Quando meu carro parou, abri meus olhos. Não consegui tirar o cinto na hora. Não lembrava de ter mexido no volante, de ter arrancado ele, mas depois me contaram que o volante despencou, que eu não precisei jogar longe”, disse.

O francês de 34 anos, que se despede da F1 nessa temporada, disse ter lembrado de Niki Lauda que também se queimou e por pouco sobreviveu a um acidente. E afirmou ter tirado forças para escapar ao pensar nos filhos.

“Tentei de novo e estava preso. Foi aí que tive o pior momento, quando meu corpo começou a relaxar. Estou em paz, estou morrendo. Comecei a me perguntar se o fogo queimaria minha sapatilha, meu pé, minha mão, se aquilo iria doer, por onde iria começar? Aquilo pareceu ter durado alguns segundos, mas acho que foram milésimos. Aí eu pensei nos meus filhos e disse: ‘Eles não podem perder o pai deles hoje”, completou.