Ascom SESAU/PMJ

O Dia Mundial do Diabetes é uma data escolhida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para reforçar a conscientização a respeito da doença, principalmente para evidenciar a importância da prevenção. A data, 14 de novembro, também é celebrada pela Federação Internacional de Diabetes (IDF).

Acompanhamento

A Prefeitura de Juazeiro oferece atendimento com o médico especialista, o endocrinologista, na Policlínica Municipal. Os pacientes são encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde para acompanhamento médico na unidade especializada. A Policlínica funciona na  Rua Antônio Pedro, número  436, no centro da cidade.

O diabetes não tem cura.  A medicação para os pacientes em tratamento é fornecida pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), a exemplo Glibenclamida 5mg, Insulina nph, Insulina regular, Metformina 850 mg.

Diabetes

O Diabetes Mellitus é uma doença crônica provocada pela falta de insulina ou da incapacidade do organismo de utilizá-la adequadamente. A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, controla a quantidade de glicose no nosso sangue ou, em outras palavras, os níveis de açúcar.

A glicose é produzida através dos alimentos que consumimos e  são a nossa principal fonte de energia. O corpo precisa da insulina para conseguir metabolizar a glicose adquirida nesse processo. As altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) de forma permanente, é uma condição que pode provocar danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos, etc.

É por esse motivo que os alimentos ricos em açúcar são prejudiciais, porque possuem um alto índice glicêmico. Quando uma pessoa tem diabetes, ela não consegue utilizar a glicose adequadamente, provocando um déficit na metabolização desse carboidrato”, alerta a gerente de Assistência Nutricional da Sesau, Betriz Lopes.

Mudanças de hábitos

A jornalista Monia Ramos descobriu o diabetes há 6 anos. Faz uso de insulina e mudou os hábitos alimentares. “Eu procuro fazer uma alimentação saudável, rica em folhas, fibras e proteínas. Como sou viciada em massas, que se transformam em açúcar, eu prefiro tapioca, cuscuz e batata doce durante a semana e só como massas de forma controlada, aos finais de semana”, conta a jornalista.

Uma parte da rotina do diabético deve ser a prática de exercício. “É preciso muita disciplina para uma caminhada, exercício para conviver bem com a diabetes”, conclui Monia.

Tipos de diabetes

De acordo com o Ministério da Saúde, existem vários tipos de diabetes. Um deles, o pré-diabetes, não é doença, mas é um estado de alerta do corpo.

Tipo 1: O próprio sistema imunológico da pessoa ataca e destrói as células produtoras de insulina. Ocorre em cerca de 5 a 10% das pessoas com diabetes, sendo mais frequente em jovens e crianças. Por esse motivo, o diagnóstico costuma ser feito na infância e adolescência.

Tipo 2: Resulta da resistência à insulina. Ou seja, o corpo não produz uma quantidade suficiente do hormônio ou existe uma incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. Esse tipo ocorre em cerca de 90% das pessoas com diabetes, sendo mais comum em adultos ou em pessoas acima do peso, sedentárias, sem hábitos saudáveis de alimentação.

 Diabetes Gestacional: Decorrente das mudanças hormonais, a ação da insulina pode ser reduzida durante a gestação. O pâncreas, consequentemente, aumenta a produção de insulina para compensar. Essa é uma condição que pode ou não persistir após o parto.

Pré-diabetes: Condição caracterizada pelo nível de açúcar no sangue acima do normal, mas não o suficiente para ser diagnosticado como diabetes. Serve de alerta, pois indica um risco grande da doença se desenvolver.