Raimundo Amarildo, 55 anos de rádio

Por Tony Martins   

No dia 31 de março de 1965, um homem com seus vinte e poucos anos, de pouca estatura, fazia sua estreia na Rádio Juazeiro, mal sabia que inversamente ao seu tamanho, sua vida de radialista seria imensa, tanto pela longevidade como pela importância de seu trabalho. Inicialmente como sonoplasta, depois, como correspondente das ligas suburbanas, até se transformar em repórter/comentarista e, atualmente, locutor/apresentador. Trata-se de Raimundo Campos Silva, petrolinense de nascimento, inclusive, afilhado do eclesiástico e notório Monsenhor Ângelo Sampaio, que de tão importante tem até nome de avenida na cidade de Petrolina.

O Amarildo é por conta de um jogador que atuou no Botafogo do Rio de Janeiro, isso se deve ao fato dele ser botafoguense, como também pelo sucesso que o referido jogador fazia na equipe carioca e na seleção brasileira de 1962 quando foi bicampeão mundial no Chile. Daí veio o apelido, incorporado à sua personalidade, cuja marca o conduz à fama.

Até a década de 1980 ele dividiu seu tempo de radialista com o de treinador de futebol, tendo sucesso também. Além da Rádio Juazeiro, Raimundo Amarildo passou pela Emissora Rural, Rádio Nova Ind e Jornal de Juazeiro, sendo que atualmente está na Rádio Cidade. Hoje com 75 anos, segue de modo natural, vendendo sua marca na comunicação do Vale do São Francisco, cujo valor é imensurável, tamanha é sua importância para todos nós.