Por Emanuelle Lustosa/SEDUC

Nesta terça-feira (26), a superintendente de Gestão Escolar da Secretaria de Educação e Juventude Gilmara Lacerda visitou o Quintal do Poeta e recebeu das mãos de Lu Almeida, 100 exemplares do mais novo livro publicado do poeta Manuca Almeida, Coesia, que foi lançado em 16 dezembro do ano passado, data que completaria 55 anos.

De acordo com a esposa do poeta, o livro é composto por algumas poesias novas e outras antigas, que foram cuidadosamente escolhidas por Manuca e por ela. “Com poucas palavras, COESIA apresenta poemas feitos para uma leitura rápida. Queremos compartilhar um pouco da poesia de Manuca com os estudantes da rede municipal, para que eles conheçam mais a história desse grande artista, que espalhou amor através da poesia”, disse Lu Almeida, que aproveitou para convidar os estudantes de Juazeiro, a visitar o Quintal do Poeta em março, mês da poesia. “Todos os anos recebemos milhares de estudantes, que vêm conhecer um pouco da história de Manuquinha e da poesia. Já temos várias escolas agendadas e quem tiver interesse em conhecer o Quintal do Poeta é só entrar contato com a gente”, ressaltou.

O projeto do Coesia foi contemplado no Edital do Programa Usina Cultural da Prefeitura Municipal de Juazeiro, através da SECULTE, produzido por Lu Almeida, com projeto gráfico da filha e designer, Dandara Almeida, fotografia de Amanda Dutra, Zelito Rodrigues e Lu Almeida.

A representante da SEDUC, Gilmara Lacerda, conheceu a lojinha POEMA 63, onde são comercializados vários objetos como canecas, camisas, CDs, cartões, quadros, azulejos, bolsas com poesias de Manuca e o memorial, com exposição de objetos pessoais, fotografias, os troféus dos prêmios e toda a trajetória do artista. “Quero agradecer a Lu pela doação, e dizer que vamos distribuir o livro em algumas escolas da rede, para que os alunos tenham acesso. Além de parabenizar a família por continuar esse trabalho lindo de Manuca, proporcionando as novas gerações que conheçam a história desse grande artista”, evidenciou.

Manuquinha, como era carinhosamente chamado, deixou um legado para as gerações presentes e futuras, sendo referência na produção artística, a exemplo do Movimento Chá das Cinco, venceu um Grammy da Música, com ‘Esperando na Janela’, junto com mais dois parceiros, além de outras produções como: livros de poemas, produção e atuação em shows, filmes, como Guerra de Canudos, novelas, e músicas gravadas por diversos artistas nacionais.