Edição de 2020 dos Jogos Olímpicos terá seleções estreantes no basquete

Globoesporte.com

Depois de uma Olimpíada do Rio sem seleções estreantes no torneio feminino de basquete, Tóquio vai receber dois países que, pela primeira vez, estarão com suas mulheres controlando a bola laranja em quadra. A definição do qualificatório olímpico neste domingo colocou nos Jogos de Tóquio a Bélgica e Porto Rico. O país caribenho, aliás, conseguiu a vaga justamente na disputa contra o Brasil. Desde Barcelona 1992 a seleção feminina de basquete do Brasil participava de todas edições olímpicas.

Sem o Brasil, o torneio olímpico feminino de basquete terá Japão (país-sede), Estados Unidos (campeão mundial de 2018) e os dez classificados em pré-olímpicos: França, Austrália, Porto Rico, Bélgica, Canadá, Espanha, China, Coreia do Sul, Sérvia e Nigéria. Assim, serão quatro países europeus, três países da Ásia, três da América do Norte e Central, um da África e um da Oceania.

Em relação aos estreantes, Porto Rico classificou-se pela primeira vez para o torneio de basquete feminino das Olimpíadas após a terceira colocação no grupo disputado na França, na qual as porto-riquenhas perderam para as donas da casa e as australianas, mas venceram as brasileiras na estreia, na prorrogação. Já as belgas garantiram a inédita vaga olímpica graças à vitória, em casa, sobre a Suécia, rival direta pelo carimbo no passaporte para Tóquio.

Enquanto na Rio 2016 não houve seleções femininas estreantes no basquete, Tóquio 2020 repete Londres 2012, quando houve dois países jogando o torneio pela primeira vez: Angola e Croácia. No Japão, a primeira vez será de Porto Rica e Bélgica.