Ascom – por Cássio Viana

Com o objetivo de retratar a dimensão política e social de mulheres transsexuais e travestis de Petrolina, discutir os processos de autoafirmação que perpassam a identidade de gênero e visibilizar a produção artística dessas mulheres, estreia, dia 19 de abril, às 20:30Hrs, “Travessia”, uma web série documental inspirada por obras do cineasta e jornalista brasileiro Eduardo Coutinho. O projeto expõe entrevistas e cenas do cotidiano de Killauea, Katarina Laviny, Luiza Brunah e Oraci que, enquanto ganham a vida como garçonetes, babás e cozinheiras, são também cantoras, rappers, atrizes e dançarinas.

De acordo com o diretor, roteirista e cinegrafista do projeto, Jackson Vicente, “Travessias” revela as dificuldades de mulheres trans e travestis sertanejas entre identidades marginalizadas e agentes culturais de transformação em uma realidade social ainda patriarcal, misógina e transfóbica. “A importância desse projeto reside no reconhecimento da diversidade e multiplicidade dos papéis que a comunidade transsexual e travesti de Petrolina exerce no processo de transformação da realidade social e da luta por uma sociedade plural, humana e cidadã”, enfatiza.

Nesse sentido, a rapper e compositora Naty Silva, de nome artístico Killauea, expressa grande satisfação em integrar esse projeto. “Ter a oportunidade de compartilhar nossas vivências enquanto mulheres trans e travestis artistas e sertanejas nos permite transgredir o lugar ao qual fomos submetidas historicamente enquanto identidades marginalizadas.”, comemora.   Para a cantora Katarina Laviny e a atriz Luiza Brunah, participar dessa “Travessia” foi muito transformador e inspirador. “Foi uma oportunidade de bradar os direitos que a comunidade trans e travesti também possuem de construir perspectivas sobre o futuro e tornar possíveis seus sonhos; além disso, visibilizamos o engajamento social de mulheres trans e travestis sertanejas”, comentam respectivamente.

Já para a artista visual e atriz Oraci, “Travessia” foi uma oportunidade de autorreconhecimento e afirmação de sua identidade travesti. “Têm sido uma oportunidade de demarcar mais uma forma transmutada de mim mesma a partir do reconhecimento político e social que meu corpo travesti ocupa na sociedade”, revela.

A web série documental será disponibilizada gratuitamente pelo canal do Youtube Canoeiras Produções em duas etapas e contará com quatro episódios, dois deles disponibilizados a cada semana entre os dias 19 e 21 (1° etapa) e 26 e 28 de abril (2° etapa), sempre às 20:30Hrs. Cada episódio abordará as vivências de uma mulher por vez e oferece, ainda, recursos de acessibilidade para a comunidade surda. “Travessia” é um projeto realizado pela Canoeiras Produções Culturais aprovado e financiado pela Lei Aldir Blanc do Estado de Pernambuco.